terça-feira, 22 de maio de 2012

Soneto a L.

Busquei a luz do teu olhar, e ela me iluminou,
Depois de tempos perdido, agora sei quem sou
E só nos teus braços encontro a felicidade antes perdida
E essa paixão que estava a sua espera, quase adormecida,

Essa mesma paixão que todos os dias se renova e amplia,
Esse desejo que aumenta, no vicio que virou teu beijo,
Nao tem hora nem lugar, pra te ver nem preciso de ensejo,
A saudade é quase mortal e só teu abraço me sacia,

És tão linda que parece mentira, um sonho, uma alucinação,
És quase uma miragem nesse deserto que chamamos de vida,
Nesse labirinto do teu amor nem me atrevo a procurar a saida,

Depois que te vi, não vejo mais nada, só você me acalma o coração,
Poderia gritar aos quatro ventos o quanto você me faz bem,
Mas prefiro sussurrar ao seu ouvido que só preciso de você e mais ninguém.

Nenhum comentário: