quinta-feira, 12 de março de 2015

Samba pra distrair XXXIV

Ainda é tempo pra ser feliz
Arlindo Cruz e Sombrinha

Me cansei de ficar mudo, sem tentar, sem falar;
Mas não posso deixar tudo como está, como está você?
Tô vivendo por viver, tô cansado de chorar,
Não sei mais o que fazer, você tem que me ajudar,
Tá difícil esquecer, impossível não lembrar você

Com o fim do nosso amor, eu também tô por aí
Já não sei pra onde vou, quantas noites sem dormir
Alivia minha dor, e me faça, por favor, sorrir,
Vem pros meus braços, meu amor meu acalanto,
Leva esse pranto pra bem longe de nós dois,
Não deixe nada pra depois, é a saudade que me diz
Que ainda é tempo pra viver feliz

terça-feira, 10 de março de 2015

Soneto ao amor e a dor

Lembranças, saudade adormecida que renasce,
Estava guardada, quase morta pela felicidade,
Agora não vai, por mais que o tempo passe,
Sem você sou nada, qualquer riso é falsidade,

A distância não mata o amor, só alimenta o sofrimento.
O tempo também parece matar, com você ele era um só momento,
Só há um lugar em que quero estar, e é no seu abraço,
Aquele apertado, sufocante, quase sem sobrar espaço,

Pra provar meu amor só preciso de você, do teu sim,
Com amor o perdão sempre deveria vencer,
Nada é demais, tudo é válido, só não o fim,

A vida fica fácil com amor, também é fácil perceber,
Não é por rimar com dor que devemos senti-la,
Só ele é verdadeiramente eficaz em evitá-la.

segunda-feira, 9 de março de 2015

Laura

Já não posso encarar o mundo sem teu beijo, 
 Nossas vidas estão ligadas, em tudo te vejo, 
Não somos mais eu e você, nos tornamos um só, 
Longe de você no meu peito só há uma imensa dor, 
No meu leito um vazio, na minha garganta um nó, 
 Meu riso depende do teu, você é minha alegria, 
A cama vazia, a boca lembrando do teu beijo, 
O corpo que treme parece que ainda sente o teu, 
O choro incontido, a solidão vagando por toda parte, 
A saudade domina, teima em tentar vencer, 
Mas o amor não morreu, nem vai morrer.