quinta-feira, 27 de março de 2008

Soneto a Yasmin

O inconsciente me traia quando te olhava,
Só o destino sabia que eu te desejava,
Meu amor oculto nem tão cedo se revelou,
Você com seu jeito doce minha solidão acabou

Escrevo-te de um jeito torto, e até errado,
Mais quem sabe o errado seja o mais certo,
E assim a solidão tenha de certo acabado,
E nossas almas cada vez ficavam mais perto,

Longe da dor, longe do terror, só o amor existia,
Eu de longe te admirava você só me olhava
A angustia de saber o que sentia, era o que me consumia

Sem saber que eu era quem realmente você amava,
Vivia sem amor, não tinha amante, sem saber que tinha uma,
E assim nossas vidas se juntaram, sem dúvida alguma.



terça-feira, 25 de março de 2008

Soneto ao Jogo do Amor

Meu olhar procura o teu, e na ânsia de te encontrar se perde,
E perdido desfaleço em teus braços mesmo sem perceber,
O teu carinho reascende a chama que tento em vão esconder,
Tua mão que me conforta, novamente me deixa inerte

Meu coração cansado de sempre cair em desilusão,
Assim vou com cuidado não me deixando enganar,
E nesse jogo acabamos sempre na mesma indecisão
E no velho e sincero enlace de mentiras que é amar,

Não vejo mais sentido em você, em nós, e nem no amor,
O seu beijo não tem mais sabor, teu sorriso perdeu a cor
Você não soube jogar o jogo do amor, e perdeu meu carinho,

A indecisão que tenho, é se ainda posso te ver, te sentir, ou tocar,
Se meu coração vai ainda suportar a dor que é ser sozinho,
Mais melhor ser sozinho do que servir a quem não sabe amar.

terça-feira, 18 de março de 2008

Tu és minha felicidade

Tu és minha felicidade, és o meu único contentamento,
Minha gratidão. Amor que exclui todo meu lamento,
Servidão devotada a você, e assim meu caminho sigo.
Longe de você, a vontade é que os dias passem curtos
Em um infindável nevoeiro, sem nuvens ou cores abstratas,
Nada que faça o tempo parar, recuar, nem que o contenha.

Em sua presença a imensidão do tempo torna-se ainda maior,
Que a infinita leveza do amor se renove em cada sincero olhar,
Procurar razão nessa desesperada ilusão, nessa arte de viver,
É o sussurro do amor, confundindo-se com um urro de prazer.
Um animal desesperado quase sem alma, ou faltando uma parte,
Parte esta que teu olhar devolve, em um ínfimo momento real,
A busca sincera pelo amor completo e latente, teve seu fim,

Tua doçura me conquistou, teus erros me completam,
Felicidade é tudo que tenho, e o amor o que há em mim,
O amor tem a cor dos teus olhos, e o calor dos teus braços,
E nele quero me queimar para sempre, o fogo da paixão.

segunda-feira, 10 de março de 2008

Soneto a solidão

Porque a distancia teima em me maltratar tanto?
Não te ter por perto se torna um pesadelo tão ruim
Nessa solidão, não quero mais viver assim
Quero você perto de mim, para evitar o pranto

Seus atos, frases e atitudes de perfeita afeição
Completam-me sem que haja espaço para dor
Sofrimento, angustia, decepção ou o que for
A não ser o sentimento que invadiu o coração

Seu olhar como um clarão, invade meu ser,
Toma a cena, revoluciona todo o lugar,
A visão se esvai, não há mais o que ver,

A tua imagem é meu contentamento, meu lar,
Você é meu par desde a eternidade, e assim será
E o nosso espírito cansado da vida renascerá